Campanha acontece entre os dias 23 de abril e 1º de junho

Bastante conhecida pela população, a gripe é uma doença causada pela ação dos vírus Influenza no organismo e, no período de maio à agosto, o número de pessoas que portam infecções respiratórias por este tipo vírus costuma aumentar, devido às mudanças de temperatura.

Por isso, a Secretaria Municipal da Saúde (SMS), através da Coordenação de Vigilância Epidemiológica (Covepi), alerta a população para ficar atenta aos sintomas da gripe, que são febre alta, tosse, garganta inflamada, dores de cabeça, no corpo e nas articulações, calafrios e fadigas.

De acordo com a coordenadora da Covepi, Tânia Santos, na presença desses sintomas é importante procurar imediatamente um serviço de saúde, e não tomar remédios sem orientação médica, pois a automedicação pode ser prejudicial ao quadro clínico. Ela também alerta para as notícias falsas sobre o assunto.

“É importante esclarecer para as pessoas que fazem uso das redes sociais, que existem várias notícias circulando com informações falsas, gerando um desconforto desnecessário e muitas vezes prejudicial, pois fazem com que as pessoas entre em pânico desnecessariamente. Não temos até o momento circulação de notificação do vírus A em Aracaju”, explicou.

“O que muita gente talvez não saiba é que existem três tipos de vírus influenza: A, B e C. Os dois primeiros são responsáveis por epidemias sazonais em várias regiões do mundo, com circulação predominantemente no inverno e, o último, causador de infecções mais brandas. O tipo A é classificado em subtipos, como o H1N1 e o H3N2, que circulam atualmente em humanos. Já o tipo B é dividido em duas linhagens: Victoria e Yamagata. Mesmo com suas particularidades genéticas, todos podem provocar os mesmos sintomas”, disse Tânia Santos.

Segundo a enfermeira e área técnica de Influenza da SMS, Mariana Aragão, os vírus vêm ganhando uma maior repercussão devido ao aumento no número de casos em comparação aos anos anteriores.

“Temos que ter em mente que, este ano, o vírus começou a circular um pouco mais cedo, o que pode ter antecipado uma epidemia. No entanto, o número de casos e as taxas estão dentro do esperado. Devido a questão da sazonalidade, e ao período chuvoso, que compreende março a agosto, a gente inicia este olhar mais atento, orientando os cuidados, pois apesar do vírus influenza ser altamente transmissível, ele não é muito resistente e permanece poucas horas no ar ou em superfícies como mesas e corrimões, por exemplo. Além disso, ele perde sua capacidade infecciosa facilmente”, falou.

Ainda de acordo com Mariana, o uso de desinfetante para higienizar superfícies onde pode haver contaminação por secreção respiratória e o hábito de lavar bem as mãos com água e sabão, ou usar álcool em gel, são formas eficazes de inativar o vírus, evitando assim sua propagação. De igual modo, cobrir a boca e o nariz usando um lenço ou a manga da camisa ao tossir ou espirrar também é um hábito simples e eficiente para reduzir a transmissão viral. Com a chegada do inverno, período de maior circulação viral, e em locais, em que haverá um significativo aumento na circulação de pessoas, não podemos nos esquecer desses cuidados que, apesar de simples, são muito efetivos”, pontuou.

Calendário de vacinação

Neste ano, a Campanha de Vacinação contra Influenza acontecerá entre os dias 23 de abril e 1º de junho, seguindo cronograma do Ministério da Saúde. O público-alvo é composto por crianças entre seis meses e quatro anos, gestantes, puérperas (mulheres que deram à luz até 45 dias), idosos, trabalhadores da saúde, população privada de liberdade, professores e agentes prisionais. O “Dia D”, acontecerá no sábado, dia 12 de maio, quando profissionais da SMS farão uma maior mobilização para conscientizar os usuários que fazem parte desse grupo a participar da campanha de imunização. A partir do dia 2 de junho, caso haja doses remanescentes da vacina, a aplicação será liberada para toda população.

fonte: PMA

Leave a reply